BRASIL: REFORMA OU CAOS


“Se, entretanto, a inércia popular, a incompetência das lideranças e os estreitos egoísmos corporativos que parasitam o Estado e a sociedade não permitirem que se empreenda, apropriadamente, esse esforço de reforma social e de reforma do Estado, não pode haver dúvidas quanto ao fato de que mergulharemos, dentro dos próximos anos, numa situação de irremediável caos.
"Não será mais possível andar nas ruas, porque os bandidos se terão apropriado do controle das cidades, e a subsistência física das pessoas estará criticamente afetada, porque os serviços públicos não assegurarão o suprimento de energia elétrica, de transportes públicos, de limpeza urbana, de comunicações, de saúde e do próprio abastecimento. Greves selvagens e insolúveis interromperão, continuamente, a precária rotina da vida diária. Nesse ambiente de caos e de inviabilidade da existência coletiva, os mais capacitados abandonarão o país, em inauditas ondas migratórias.
"As instituições democráticas entrarão em colapso. E um neofascismo, de corte sul-africano, instaurará um regime de ditadura de classe média, implantando, numa sociedade mestiça, em que o “apartheid” de raça não é viável, um “apartheid” de classe, que reprimirá coercitivamente as grandes massas. Alternativamente, poderá ocorrer que um esquerdismo primitivo, contando com suficientes conivências militares, implante um social-populismo de corte etíope e institucionalize, no país, um autoritarismo afro-asiático.
“Para o Brasil, o dilema é inescapável e urgente: reforma ou caos."

JAGUARIBE, Hélio et al. Brasil: reforma ou caos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989, p. 305.